26 de dez de 2014

Filled Under: ,

Guia de Manejo Clínico da Infecção pelo HTLV

INTRODUÇÃO

1.1 HISTÓRICO DOS RETROVÍRUS
A história dos retrovírus mostra que o interesse médico pelos agentes infecciosos causadores de tumores teve início com a descrição da possível transmissibilidade do chamado sarcoma de Rous em aves, em 1911. A seguir, observou-se a associação de processos neoplásicos em diversos animais com os então recém-descritos agentes virais, o que gerou na comunidade científica uma grande expectativa de que algumas neoplasias humanas também pudessem estar associadas a infecções por esses agentes.

Os vírus e sua relação com o desenvolvimento de tumores passaram então a receber maior atenção e esforço de pesquisa, o que levou ao isolamento de inúmeros vírus animais oncogênicos, da família Retroviridae em particular. Estes permitiram o aprendizado de novos conceitos de interações entre um vírus e o hospedeiro, incluindo o avanço evolutivo representado pela integração dos ácidos nucleicos viral e celular, a transmissão vertical do vírus para a progênie do hospedeiro, a persistência viral e o processo de latência. Com os retrovírus foi possível também realizar descrições dos oncogenes (sequências de ácido nucleico que geram produtos capazes de induzir o aparecimento de neoplasias).

Em 1970, foi descrita a atividade de uma enzima que apresentava uma função (até então desconhecida na biologia celular) de leitura de um molde de RNA viral, intermediando a partir daí a síntese de uma molécula de DNA. Em decorrência dessa função, essa enzima (DNA polimerase dependente de RNA) recebeu a denominação genérica de transcriptase reversa (TR) e a sua presença em todos os seres desse grupo de agentes virais deu origem ao nome da família viral hoje conhecida como Retroviridae. A TR se forma nos vírions em brotamento a partir das células infectadas, de modo que recuperá-la a partir de um meio de células cultivadas implicaria a presença de infecção ativa por retrovírus.

Agentes virais da família Retroviridae foram sendo sucessivamente descritos a partir de isolados de peixes, répteis, aves e mamíferos (ainda que seu potencial patogênico tenha sido demonstrado, até então, de forma convincente apenas nas aves e mamíferos). O estudo de toda a variedade de neoplasias associadas aos retrovírus animais (linfomas, leucemias, sarcomas e, ocasionalmente, carcinomas) induziu ao desenvolvimento de uma metodologia de cultivo viral que foi de grande utilidade prática quando se buscou o isolamento do primeiro retrovírus humano.

Por volta da década de 70, a proposta de investigar a existência de retrovírus humanos havia se tornado impopular devido às inúmeras tentativas sem êxito de isolá-los, apesar do isolamento da transcriptase reversa em pacientes com casos raros de leucemia, o que sugeria fortemente a presença de retrovírus. Além da atmosfera de frustração, havia outros argumentos científicos, como a falta de evidência de vírus associados à leucemia em primatas, a facilidade em isolar retrovírus de animais em contraste com a dificuldade que se experimentava com os possíveis retrovírus humanos e o fato de o soro humano ter a capacidade de lisar retrovírus animais na presença de complemento. Na tentativa de encontrar um vírus humano relacionado ao desenvolvimento de leucemia/linfoma, foram desenvolvidas técnicas para a detecção da transcriptase reversa, bem como para discriminá-la das DNA-polimerases celulares.

Um dos eventos decisivos para tornar possível o isolamento dos retrovírus em pacientes com leucemia e, posteriormente, com aids, juntamente com a capacidade de detectar a transcriptase reversa, foi a descoberta de um fator mitogênico das células T, depois chamado de interleucina-23.

A associação entre os retrovírus e neoplasias em seres humanos pôde ser feita com sucesso na década de 1980, nos Estados Unidos, quando se logrou isolar o primeiro retrovírus humano, o vírus linfotrópico de células T de humanos (Human T lymphotropic virus, HTLV), a partir de uma linhagem de células linfoblastoides, obtida de um paciente com linfoma cutâneo de células T nos EUA, e, a seguir, detectá-lo no soro de pacientes japoneses com quadros de leucemia/linfoma de células T de adultos, LLcTA (adult T-cell leukemia/lymphoma, ATcLL), em situações independentes. A LLcTA havia sido descrita como uma nova entidade clínica em Kyoto, Japão, em 1977.
No ano de 1982, foi isolado um segundo HTLV, a partir de um paciente com tricoleucemia. Métodos de cultivo in vitro e a caracterização biológica e molecular evidenciaram que se estava frente a dois agentes intimamente relacionados, porém distintos, que passaram a ser denominados HTLV-1 e HTLV-2, sendo este último bem menos patogênico que o primeiro. Posteriormente, foi definido o tropismo desses dois vírus para linfócitos T, CD4+ e CD8+, respectivamente.
A partir de estudos soroepidemiológicos, foi possível mostrar o envolvimento do HTLV-1 com uma encefalomieloneuropatia endêmica na região do Caribe, conhecida como Paraparesia Espástica Tropical, hoje referida como Mielopatia Associada ao HTLV-1, PET/MAH. Atualmente, o espectro de infecção, principalmente pelo HTLV-1, é traduzido sob a forma de doenças oculares, dermatológicas, urológicas, reumatológicas e psiquiátricas, além da interação com outros agentes infecciosos (de natureza viral e helmintos), causando quadros de doença mais grave em seres humanos. Além disso, mais recentemente, tem-se observado que outros sintomas neurológicos inespecíficos, como hiperreflexia, neuropatia periférica, disfunção erétil e bexiga hiperativa, ocorrem com mais frequência em indivíduos soropositivos para o HTLV.
Em 1983, foi isolado um retrovírus do linfonodo de um paciente com linfadenopatia generalizada persistente, condição que era reconhecidamente precursora da Síndrome da Imunodeficiência Adquirida (aids). A esse isolamento, seguiram-se experimentos demonstrando a transmissibilidade do novo vírus a células de pessoas sadias e diferenciando-o do HTLV. No ano seguinte, foi publicado um trabalho distinguindo esse agente tanto do HTLV-1 como do HTLV-2, ao qual se denominou HTLV-3. A seguir, foi demonstrada a sua relação causal com a aids e apresentada a primeira geração de testes diagnósticos específicos para esse vírus, posteriormente denominado HIV (Human Imunodeficiency Virus).

Por apresentarem mecanismos de transmissão comuns, o HIV e o HTLV-1 e 2 podem, simultaneamente, infectar o mesmo hospedeiro, o que acontece com relativa frequência, em especial em populações específicas, como usuários de drogas intravenosas e profissionais do sexo. Alguns estudos mostram que a coinfecção HIV/HTLV-1 cursa com progressão mais rápida para aids, maior risco de desenvolvimento de complicações neurológicas, incluindo PET/MAH, leucemia e linfomas, e menor sobrevida. No caso da coinfecção com HTLV-2, no entanto, não se evidenciou piora da progressão para aids, tendo sido relatado até mesmo algum efeito protetor, embora se tenha verificado que o HIV pode induzir o desenvolvimento de neuropatia e linfoma relacionados ao HTLV-2.

Estima-se que, atualmente, cerca de 20 milhões de pessoas estejam infectadas com o HTLV-1 no mundo, as quais se concentram em determinadas áreas da África, América Central e do Sul e Japão. Como aproximadamente 90% dos portadores são assintomáticos e suas complicações mais conhecidas e estudadas ocorrem em cerca de apenas 5% dos infectados, a infecção é tradicionalmente relacionada a uma baixa morbidade.

A patogênese da infecção tem sido associada a uma elevada carga viral e a uma exageração de resposta imune tipo I, conforme se pode constatar nos pacientes com PET/MAH e LLcTA, embora a história natural da doença ainda não tenha sido totalmente esclarecida.




                                             Download
----------------------------------------------
Resultado do trabalho de um grupo assessor que contou com diversos segmentos, como especialistas, profissionais de saúde e sociedade civil,  este material tem por objetivo principal orientar profissionais de saúde quanto à atenção aos portadores do HTLV e suas complicações.
Disponibilizado em:29/05/2014

Departamento de DST, Aids e Hepatites Virais

0 comentários:

Postar um comentário