ANEXO III Carta Norte de Redução de Danos - IST

Breaking

Home Top Ad

Responsive Ads Here

Post Top Ad

20 de out de 2010

ANEXO III Carta Norte de Redução de Danos


ANEXO III

Carta Norte de Redução de Danos

Cidadania: direitos e deveres de todos nós.

Nos últimos 20 anos, houve grandes transformações nas perspectivas de Redução de Danos - RD, até então percebidas tão somente como estratégias de enfrentamento do HIV ligadas ao uso injetável de drogas. No decorrer do tempo, a RD contribuiu significativamente na luta contra a AIDS e abriu um leque de novas possibilidades na forma de se fazer e pensar Saúde no Brasil passando a ser vista como uma Política Pública ligada a atenção à questão das drogas, dialogando com distintas realidades: prevenção ao HIV/AIDS, hepatites e outros agravos à saúde das pessoas que usam drogas.

A Região Norte tem hoje um grande desafio pela frente. Talvez o maior de todos seja exatamente o de fazer justiça aos grupos mais vulneráveis e sua trajetória de sofrimento e discriminação.

Tarefa nada fácil. Temos, no entanto, uma grande vantagem, qual seja: não temos o ônus do ineditismo e possuímos exemplos a serem seguidos.

Uma das principais características desse grupo é a sua vinculação com diversos movimentos sociais. Temos conosco gente ligada à luta contra o machismo e a dominação masculina, temos gente que luta pelos Direitos Humanos das pessoas que usam drogas, temos gente que luta por uma outra saúde possível, que se construa sobre o alicerce do respeito aos Direitos
Fundamentais e que se constitua como campo de construção de autonomia e liberdade e não como dispositivo de controle e produção de corpos doentes, delinqüentes ou pecadores.

O Sistema Único de Saúde – SUS é uma árdua conquista do povo brasileiro, cujos princípios apontam em direção a um fazer em saúde com criatividade, humanidade, participação e descentralização. Porém, a burocratização que vem acompanhando o processo de institucionalização bloqueia as possibilidades de inovação. Neste contexto, a RD, apresenta-se como aliada na luta contra o estrangulamento dos princípios que estão na gênese do SUS. São formas de pensar e fazer saúde que se aliam às lutas e às práticas desenvolvidas por trabalhadores da saúde, usuári@s do SUS, movimentos sociais, instituições de ensino, dentre outros.
Mas, nosso pensar não é apenas na Saúde; ele amplia-se para questões ligadas aos Direitos Humanos das pessoas que usam drogas e ao pleno exercício de sua cidadania. Neste sentido, o Movimento Social de RD necessita aproximar-se de outros saberes, outras práticas, outros espaços. Como a Educação pensa os usos de drogas? Como a Assistência Social vai perceber a pessoa usuária de drogas? As políticas públicas de cultura e lazer se apresentam como possibilidades de construção de subjetividades que respeitem a possibilidade do uso de drogas?
Não se pode deixar de abordar ainda, nesta carta, a questão das políticas repressivas com relação aos usos e usuários das drogas tornadas ilícitas. Afinal, vivemos num mundo que optou, por meio de seus organismos internacionais, por um caminho repressivo, que julgava possível e desejável a construção de uma sociedade livre de algumas drogas. É preciso que façamos uma profunda reflexão quanto aos resultados destas políticas. O discurso de guerra às drogas se sustenta sobre a idéia de “proteção dos jovens do flagelo das drogas”. Porém, mais e mais jovens morrem por causa da guerra às drogas e não em função do uso, violência essa produzida pelo discurso proibicionista. Neste contexto, a prática cotidiana dos(as) trabalhadores(as) envolvidos na promoção de saúde das pessoas usuárias das drogas tornadas ilícitas fica comprometida diante da atual legislação “anti-drogas” e práticas jurídicas a elas relacionadas.

O movimento social da Região Norte, aqui representado pelos Estados do Amazonas, Acre, Amapá, Pará, Rondônia, Roraima e Tocantins, se coloca ao lado de todos aqueles que lutam pelos Direitos Humanos na construção de uma sociedade livre, justa e igualitária que respeite as diferentes formas de ser, sentir e estar no mundo.




Manaus-AM, 15 de junho de 2007.

1º Encontro de Redução de Danos – Região Norte

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Post Bottom Ad

Responsive Ads Here

Páginas